Estratégia de internacionalização

Uma Universidade aberta ao mundo

A Internacionalização faz parte intrínseca da missão da Universidade Católica Portuguesa. O processo de internacionalização apresenta-se como estruturante da atividade de investigação, ensino e serviço à comunidade universal e é essencial à estratégia de desenvolvimento da instituição. Esta estratégia tem sido desenvolvida com: 

  • O reforço da capacidade com a contratação de docentes e investigadores a nível internacional;
  • A qualificação interna de recursos humanos e comunicacionais para apoio à internacionalização;
  • Programas de intercâmbio e acordos de cooperação internacionais, em todos os cursos conferentes de grau;
  • A aposta em programas de estudos internacionais conjuntos: 20 diplomas conjuntos, duplos ou múltiplos;
  • A criação de cursos totalmente lecionados em Inglês;
  • Alianças estratégicas com universidades católicas de investigação e reputação internacional;
  • Um conjunto de cadeiras totalmente lecionadas em inglês nas várias áreas de ensino abertas à frequência por parte de alunos de outras áreas, o Liberal Arts Curriculum;
  • O aumento do número de estudantes internacionais e de intercâmbio
  • Em 2017 a UCP contou com 17,3% de estudantes internacionais dos cinco continentes e de cerca de 90 países, entre os quais Alemanha, Brasil, Itália, Angola, China, Espanha, Guiné, França, Cabo Verde e Holanda.

A posição da universidade Católica, de várias unidades de ensino e programas da UCP em rankings internacionais, por exemplo, Times Higher Education World University Rankings, QS University Rankings, Financial Times, Eduniversal e U-Multirank, manifesta um reconhecimento da elevada qualidade do seu ensino e dos resultados da aposta num posicionamento internacional. 

A UCP compromete-se com o desenvolvimento dum ensino global, abraçando a internacionalização da investigação e da transferência de conhecimento, e perspetivando a sua qualidade a par dos mais  elevados padrões internacionais. Construída localmente para inspirar globalmente, a Universidade procura transmitir os seus valores, baseados no humanismo cristão, esperando que estes possam vir a ter impacto global através dos seus alumni, de que é exemplo o Prémio Nobel da Paz atribuído em 1996 a D. Ximenes Belo, da Turma de Teologia de 1979, bispo de Dili, Timor (1988-2002).