Bolsas Erasmus


A Agência Nacional Erasmus+ Educação e Formação (AN) atribui bolsas de mobilidade que visam complementar a cobertura de despesas resultantes da estadia num país estrangeiro, pelo que não são consideradas bolsas de estudo. As bolsas destinam-se às duas modalidades de intercâmbio para alunos, estudos e estágios.
O montante a atribuir tem como referência a tabela publicada anualmente pela AN. Os valores distribuem-se por três grupos de países de acordo com o nível de vida (alto, médio e baixo), são fixos e incluem o valor da viagem. A distribuição e gestão das bolsas é feita através do Departamento de Relações Internacionais da UCP.
Para se candidatarem a Bolsas Erasmus, os interessados deverão formalizar a sua candidatura junto do Gabinete de Relações Internacionais da sua unidade académica.


Bolsas Suplementares para Alunos com Dificuldades Económicas
É possível a atribuição de uma bolsa suplementar a alunos com dificuldades económicas comprovadas. Para ser elegível o aluno terá de ser auxiliado pela DGES – Direção-Geral de Ensino Superior, Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.
A candidatura a este financiamento inicia-se no momento da candidatura para a Bolsa Erasmus. A informação é posteriormente tratada pelos Serviços de Apoio na Universidade.


Bolsas para Alunos com Necessidades Especiais
Para garantir a oportunidade de participar no programa Erasmus, está prevista a possibilidade de uma bolsa suplementar para alunos com necessidades especiais medicamente comprovadas – físicas, mentais ou de saúde. 
No momento de candidatura à Bolsa Erasmus o aluno deverá indicar se possui necessidades especiais. A informação é posteriormente tratada e a candidatura – que deverá incluir atestados médicos e previsão de custos – é enviada para a Agência Nacional através do Gabinete de Relações Internacionais da UCP.


Devolução do valor atribuído
Se houver interrupção do período de mobilidade (desistência parcial), a AN determina a devolução da quantia correspondente aos meses de desistência, exceto em situações de força maior, devidamente justificadas, documentadas e aceites pela AN.  Se se verificar uma das seguintes circunstâncias: a) não realização de um período de estudos mínimo de dois meses; b) desistência total; c) não obtenção de aproveitamento escolar, haverá lugar à devolução da totalidade da bolsa concedida.

Apesar do aluno estar isento do pagamento de propinas, inscrições ou exames na Universidade de destino, continuará a efetuar os pagamentos na Universidade de origem, incluindo matrículas, propinas e outros.

Bolsas China Three Gorges