Mestrados

O mestrado (2.º ciclo) tem uma duração normal entre três e quatro semestres e confere entre 90-120 créditos ECTS. Este ciclo de estudos requer a frequência de unidades curriculares, a elaboração e defesa pública de uma tese original, ou a realização de um estágio ou de um projeto e a elaboração e defesa dos respetivos relatórios, no caso dos mestrados profissionalizantes ou que são orientados para o mercado de trabalho. 

Os cursos ministrados pela UCP e os graus que confere (licenciatura, mestrado e doutoramento) têm o mesmo valor e produzem os mesmos efeitos que os das Universidades estatais (Decreto-Lei nº 128/90). Este sistema baseia-se em três níveis de ciclos de estudo e está estruturado de acordo com os princípios do Processo de Bolonha, que entrou em funcionamento a partir de 2006/07. Todos os cursos ministrados estão acreditados pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) e devidamente registados junto da Direção-Geral de Ensino Superior (DGES). (veja aqui mais informação).

A Escola das Artes do Porto é direcionada a todos aqueles que se interessem pelo património artístico e cultural antigo e contemporâneo, por uma formação diversificada teórico-prática, que tenham espírito curioso e aberto à investigação e gosto pela resolução de problemas.

A Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa (FEP-UCP) oferece aos seus alunos uma formação de qualidade nos domínios da Educação e da Psicologia. A oferta formativa em Educação inclui diversas pós-graduações, um mestrado e um programa de doutoramento (no Centro Regional do Porto e na Universidade Católica de Moçambique).

A Faculdade de Teologia e os seus centros de estudo têm como objetivo promover, mediante a investigação científica e a docência superior, o estudo da experiência, história e doutrina associadas à fé cristã e a outras tradições religiosas e prestar apoio à Igreja Católica no desempenho da sua missão.

O Instituto de Bioética (IB) foi criado pelo Conselho Superior da Universidade Católica Portuguesa, em Julho de 2002, com o compromisso de alargar e adaptar o trabalho de investigação em Bioética aos novos desenvolvimentos da ciência e da tecnologia.