Documentação necessária

Para se candidatar aos diversos programas da UCP, irá necessitar de apresentar um dos seguintes documentos conforme tenha realizado o ensino secundário português (a) ou estrangeiro (b):

a) Se concluiu o ensino secundário português em Portugal:

  • Cartão de cidadão;
  • 1 Fotografia (tipo passe);
  • Ficha ENES (Exames Nacionais do Ensino Secundário) obrigatoriamente emitida no ano em que se candidata  (solicitar no estabelecimento de ensino secundário);
  • Para as licenciaturas internacionais e Mestrado Integrado em Medicina é necessário o comprovativo de nível de inglês.

Os exames nacionais da 2ª fase podem ser usados em qualquer fase de candidaturas da UCP, desde que figurem na ficha ENES.

Atenção: Para o curso de Medicina, para este ano, apenas serão considerados os exames nacionais de 1ª Fase de 2020/2021 e ainda os exames nacionais de 1ª e 2ª Fase de 2018/2019 e 2019/2020 do concurso nacional de acesso ao ensino superior.

A ficha é obtida no estabelecimento de ensino secundário, onde o aluno prestou as últimas provas e deve ser entregue na Universidade dentro dos prazos indicados no calendário.

Tenha muita atenção aos prazos para a entrega desta documentação.

b) Se concluiu o ensino secundário estrangeiro, em Portugal ou no estrangeiro:

  • Documento de identificação;
  • Número de identificação fiscal;
  • 1 Fotografia (tipo passe);
  • Diploma de conclusão do ensino secundário estrangeiro(1) (com classificações finais);
  • Declaração de equivalência ao ensino secundário português(2);
  • Para as licenciaturas internacionais e Mestrado Integrado em Medicina é necessário o comprovativo de nível de inglês.

Tenha muita atenção aos prazos para a entrega desta documentação.

(1) Certidões emitidas fora de Portugal, deverão conter a Apostila  ou ser legalizados por autoridade diplomática ou consular portuguesa no país de origem do documento. Quando os documentos a apresentar se encontrem redigidos em língua estrangeira que não a língua espanhola, inglesa ou francesa, deve ser entregue a respetiva tradução oficial (efetuada nos termos previstos na lei notarial).

(2) A declaração de equivalência é obtida na escola secundária portuguesa da área da sua residência ou na Direção Geral de Educação.