Sexta II

Sexta II

Pai Nosso, Deus de todas as bençãos,
Tu és o primeiro a rejubilar com as nossas alegrias
e a sofrer com as nossas dores.

Foi em Jesus que se fez evidente
esta proximidade da nossa condição humana,
este assumir os nossos sucessos e necessidades.

Custa-me a compreender, ó Deus nosso Pai,
como chegamos à crueldade
de parecer insensíveis ao riso e ao choro
dos nossos companheiros humanos!

Não provindo da tua herança,
donde vem esta intransigência
sem coração?

Não choramos com os que penam;
não bailamos com os que riem.
Porquê, Senhor?

Vivendo contigo, contemplando Jesus,
eu quero encher de simpatia
os endurecidos pela rudeza da vida.
Enxuga-me as lágrimas dos outros.
Aumenta-me a felicidade dos outros.