Quarta I

Quarta I

Pai Nosso, Senhor da ternura,
permanente é o convite
a participarmos na tua mesa,
a entrar no teu banquete.
Preparas para nós a festa:
lágrimas enxugadas de todas as faces,
cancelado o opróbrio de todos os povos,
aniquilada a morte para sempre,
realizadas as nossas esperanças.
Até desconfio, meu Pai e Nosso Senhor,
perante tanta abundância de promessas.
Penso-te sempre à medida da gente.
E «quando a esmola é grande...
... o pobre desconfia»

Mas, desde toda a eternidade,
Tu queres ver os teus filhos libertos e saciados,
tens compaixão da fome da multidão.
O teu Filho e nosso irmão Jesus
iniciou o reino com novo banquete.

Senhor, alimenta no nosso coração o desejo profundo
de pôr à disposição dos outros o que temos e somos
para multiplicar o pão necessário a tantas fomes.